Niterói, RJ

Remanso Fraterno

Espaço de desenvolvimento e incentivo à autonomia. Busca contribuir com uma sociedade melhor, com oportunidades e perspectivas de vida, despertando potenciais.

Sobre a ONG

O trabalho social da SEF (Sociedade Espírita Fraternidade) teve início na década de 1980 junto a uma comunidade de Niterói, então conhecida como Favela do Gás.

Com a maturidade da instituição e a consequente experiência alcançada no desenvolvimento desse trabalho, a SEF julgou oportuno e imprescindível dar um novo passo na direção da sistematização das suas atividades assistenciais. Dessa forma, criou o Departamento Assistencial que, sob a denominação de Remanso Fraterno, veio dinamizar tais atividades.

Fundado em 20 de março de 1988, em terreno adquirido pela SEF, na região de Várzea das Moças, periferia de Niterói/RJ, as atividades tiveram início de forma muito simples, atendendo a população primeiramente na praça do Rio do Ouro e, depois, no espaço onde hoje se localiza o Remanso Fraterno.

A partir do trabalho que vinha sendo desenvolvido com a comunidade, constatou-se a necessidade urgente de uma escola em tempo integral, de forma a permitir que as mães ou outras mulheres com função materna pudessem realizar a melhoria de suas condições de vida, através de emprego remunerado. Foi então que, em 1º de junho de 1998, inaugurou-se o Núcleo Educacional Professora Clélia Rocha.

Em 2 de fevereiro de 2002, foi inaugurada a Creche Comunitária Professora Clélia Rocha, em parceria com a Prefeitura Municipal de Niterói.

Mais recentemente, em 30 de novembro de 2013, como resultado da reforma do Prédio da Administração, foi inaugurada a nova sede da Diretoria de Assistência Social abrigando o "Projeto Acolher é Transformar" e as atividades do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos – Projeto Acolher Jovem.

Em 2013, considerando o cenário do Sistema Único de Assistência Social, o Remanso Fraterno está enquadrado no SUAS como entidade de Assistência Social de Proteção Social Básica.

O Remanso Fraterno atende hoje mais de 250 crianças e seus familiares, além de 85 adolescentes e jovens em situação de vulnerabilidade social nas comunidades dos municípios de Niterói (Várzea das Moças) e o Município de São Gonçalo (comunidades fronteiriças de Niterói).